BIZREVOLUTION – Diário da Revolução

http://www.bizrevolution.com.br/ 

Adoro os textos desse site e sou fã do Ricardo Jordão Magalhães que tem coragem de dar nomes aos bois e com isso desagradar. Sou fã da força e da capacidade que ele tem de questionar os padrões, capacidade de incomodar e se posicionar num mundo politicamente correto e relativo, em que ser aceito é mais importante do que está feliz com suas escolhas. 

Eles ainda recomendam livros, sites e textos incríveis!

Vale a pena dar uma conferida!
A BIZREVOLUTION é para aqueles que querem MUDAR O MUNDO através do Trabalho que fazem todos os dias.

A missão da BIZ é transformar o mundo dos negócios em um lugar RELEVANTE para viver.

Um lugar onde as pessoas possam trazer o coração e o cérebro – e não apenas os braços – para dentro de seus locais de Trabalho.

Será que tudo isso vai acontecer mesmo no futuro???? Parte 1

Conversando com a Mariana Avallone que trabalha comigo na Lility, ela falou de um trabalho sobre moda e tecnologia feito por um de seus colegas de classe, o Tadeu.

Achei tão interessante que vou colocar trechos da pesquisa deles aqui:

Roupas tecnológicas
A combinação moda e tecnologia é promissora. A empresa CuteCircuit investe forte na área e mostrou suas últimas peripécias na SIGGRAPH, uma convenção de design anual, em Los Angeles.

Que tal, por exemplo, mandar um abraço para quem você ama através da sua camiseta? Isso é possível – ou quase – com uma Hug Shirt. O processo é simples: abrace a si próprio e murmure o nome da pessoa que vai receber o carinho. Se o outro estiver vestindo peça com a mesma tecnologia,  sentirá o abraço através de sensores que simulam sensações como tato e calor.

Outra peça que faria o maior sucesso para quem não tem tempo para nada é a Skirteleon, uma saia camaleão, com um tecido que pode mudar de estampa quando você quiser. Um azul escuro pode se transformar num padrão geométrico ou de desenho animado, por exemplo. O vestido tomara-que-caia Mystique possui um conceito parecido: muda de cor e comprimento, desde o joelho até o pé.

KineticDress é o mais dramático de todos. Preto, seguindo a tendência atual, o design do vestido é inspirado na época Vitoriana. Quando usado, surgem círculos azuis móveis no seu tecido, criando um clima fantástico.

Por enquanto, essas roupas ainda são protótipos caríssimos.

Jorge Wakabara

 
Reprodução
A Hug Shirt e o KineticDress

Matéria retirada do site Chic da Gloria Kalil

Mais de 2.500 acessos no dia!

2500.jpg

Hoje é dia de festa – novamente! Comemoramos a primeira vez que tivemos mais de 2,500 acessos no dia!!

Fazer esse blog tem sido uma experiência fascinante. Nunca sabemos o que as pessoas vão gostar ou não. Às vezes eu fico dias pensando num artigo e … nenhuma repercussão. Outras vezes, uma nota escrita de impulso gera milhares de visitas.

Outra coisa engraçada é quão pouco conhecemos dos nossos leitores. Nunca pensei que o pessoal aqui gostasse de futebol, por exemplo. Mas como explicar a queda de audiência numa plena quarta-feira de final da Libertadores, com jogo do São Paulo?

Anyway, esse tem sido o grande barato: debruçar sobre nossa própria ignorância.

Mais uma vez, super-obrigado a todos!

Vender meia preta pela web, um negócio milionário

Um suíço está ficando rico com uma fórmula simples: vende meias pretas por assinatura na internet. Sua empresa se chama Blacksocks.com e o cliente, chamado “sockscriber”, ou “assinante de meias”, paga uma taxa anual para receber regularmente pacote com três pares de meias finamente produzidas na Itália.

Divulgação Liechti, dono da Blacksocks, produz meias de algodão e cashmere na Itália

Samy Liechti, de 36 anos, o criador do negócio, está rindo à toa: o faturamento vai superar US$ 2 milhões este ano. Ele conta que a empresa está com 30 mil assinantes, em 73 países, e que venderá 300 mil pares até dezembro. “Quando comecei há sete anos, me chamavam de louco”, disse o empresário ao Valor.

O negócio é de nicho, mas o potencial é “gigantesco”. Liechti sugere refletir só um minuto sobre a enormidade de gente vestindo ternos todo dia, no mundo todo. Quem usa terno precisa de meias, principalmente de meias pretas. Só que compra-las é tedioso e perde-se tempo. “Meia é uma commodity, não é questão de querer, mas de necessidade”.

O que ele oferece é acessar o Blacksocks.com e tornar-se cliente de meias de algodão ou cashmere, com o “selo de luxo” da produção italiana. A assinatura inicial de US$ 89 dá direito a pacotes despachados pelo correio em três, quatro ou seis vezes ao ano. Pode comprar também só um kit, desembolsando US$ 10 pelo par.

Leia a matéria completa no Valor Online.